O Hospital Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, iniciou, nesta terça-feira (22), uma série de Rodas de Diálogo com mães e familiares de bebês que estão com microcefalia ou ainda fechando diagnóstico. As atividades foram mediadas por psicólogas e assistentes sociais que trabalharam questões relativas ao preconceito, aceitação familiar, além dos direitos garantidos junto ao INSS. Vale destacar que o HMV é referência para diagnóstico de microcefalia em 53 municípios do Agreste Pernambucano.

Neste primeiro momento, participaram cerca de 30 mães, sendo que duas delas já estão com seus filhos diagnosticados com a enfermidade, como é o caso de Adriane Ferreira, de 28 anos, que teve seu primogênito diagnosticado com microcefalia em dezembro do ano passado e está sendo acompanhado pelo neuropediatra do hospital. “Foi muito importante esse debate que começou hoje. Abordamos questão de preconceitos e também alguns direitos que temos diante da lei.”, destacou Ferreira que mora em Santa Cruz do Capibaribe.

De acordo com a assistente social, Kássia dos Santos, essas mães precisam ser acolhidas e orientadas. “Muitas delas nem sabem dos diretos que têm. Logo, a Comissão de Humanização do HMV se reuniu com o serviço social e psicologia e estamos desenvolvendo esse importante projeto que pode servir de exemplo para outras unidades de saúde de Pernambuco.”, declarou Santos.

Para a psicóloga, Renata Casé, a principal questão abordada no primeiro encontro foi o enfrentamento dessas mães em aceitar, acolher e buscar o tratamento adequado para seus filhos. “O nosso diálogo girou em torno também da pergunta: como vou mostrar meu filho ao mundo? A palavra de efeito no grupo foi enfrentamento. Enfrentar a nova realidade em busca de um tratamento digno para o filho e, além disso, não se reservar diante do fato, pois quem vai conduzir todo esse processo é o amor. O amor é soberano e essas mães amam seus filhos.”

A Comissão de Humanização e a Direção do HMV estão definindo quanto a periodicidades das Rodas de Diálogo, se ocorrerão quinzenal ou mensalmente. 

 

O Hospital Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, iniciou desde o dia 14 de janeiro a oferta de cirurgias pediátricas. Por mês, a unidade está realizando 20 procedimentos. O hospital está sendo referência para os 32 municípios que compõem a 4ª Geres, e essas cirurgias tendem a ajudar a diminuir a fila de espera que atualmente gira em torno de 170 pessoas.

Para o diretor geral do HMV, Marcelo Cavalcanti, a realização destas cirurgias vem somar aos atendimentos já realizados pelo Hospital. “Este serviço que estamos ofertando à população é de fundamental importância, por auxiliar na diminuição do gargalo que existe nos procedimentos desta especialidade, reduzindo a fila de espera; e, sobretudo, por favorecer o reestabelecimento da saúde destas crianças”, explicou.

O fluxo de atendimento sempre ocorre por meio da Central de Regulação que oferta as vagas para os municípios contemplados, que por sua vez fazem a marcação do paciente que, inicialmente passa por uma avaliação ambulatorial no HMV. Havendo a necessidade da cirurgia, o paciente realiza exames e agenda a data do procedimento. Os atendimentos são apenas para cirurgias eletivas, os casos emergências não são realizados no HMV.

 

 

O governo de Pernambuco divulgou, nesta semana, um novo boletim com casos notificados de microcefalia no Estado. Caruaru já tem 25 em investigação. O Hospital Mestre Vitalino e FUSAN serão referências para o atendimento dos bebês e das mães, respectivamente, que tenham suspeita da enfermidade.

O HMV atenderá a população infantil da 4ª e 5ª Região de Saúde que compreendem 53 municípios. A Central de Regulação de Leitos do Estado já está encaminhando os bebês para a unidade. Nesta semana, foram atendidas seis crianças cuja avaliação não foi positiva para microcefalia.

Serão ofertadas pela Central de Regulação 25 vagas, por semana, e os atendimentos no HMV ocorrerão todas as terças-feiras. Os bebês passarão por avaliação especializada com neuropediatras e farão exames de tomografia computadorizada. Em breve, assim que o Estado sinalizar, serão realizados exames de LCR que complementa o diagnóstico em busca de possíveis patologias neurológicas. Esses exames serão enviados para o LACEM-PE (Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco) para efetivação da sorologia.

Com a confirmação da microcefalia, os bebês deverão ser acompanhados por uma equipe multiprofissional do HMV e também pela rede de saúde do município de origem do paciente. “O bebê que for diagnosticado com microcefalia volta ao acompanhamento no hospital. Futuramente, nós teremos o poder de ofertar a fisioterapia. Em quanto isso, os municípios deverão absorver alguns serviços que essas crianças necessitarem”, esclareceu Maria Paula Martins, uma das coordenadoras do setor de neurologia e neuropediatria do HMV.

Maria Paula também afirmou que a unidade está preparada para receber a demanda das duas Regiões de Saúde. “Por enquanto, esse quantitativo de consultas semanais é satisfatório. No futuro, se houver necessidade, existe a possibilidade de aumentar a oferta.”, destacou.

 

 

Fluxo - A Secretaria de Saúde do Estado, por meio da Central de Regulação, coloca a disposição as vagas para os municípios que solicitarem as consultas com os neuropediatras.

Após a efetivação do pedido, serão geradas senhas para as crianças que necessitam ser atendidas no HMV. As consultas ocorrerão, inicialmente, todas as terças-feiras.

No dia da consulta, as crianças passam por uma avaliação com os neuropediatras e, caso se constate alguma anormalidade, a tomografia computadorizada é solicitada.

Confirmando o diagnóstico para microcefalia, o bebê tornará paciente efetivo do HMV e também será acompanhando pela rede municipal de saúde de origem.

 

As crianças internadas na pediatria e UTI pediátrica do Hospital Mestre Vitalino receberão a visita especial do Papai Noel. A ação acontece nesta próxima quarta-feira (23), a partir das 9 horas da manhã e a criançada ganhará presentes que foram arrecadados por instituições filantrópicas da cidade, além dos próprios colaboradores do hospital.

A direção do HMV, em parceria com a coordenação de serviço social, também elaborou uma programação especial que iniciou desde o início desta semana, com a apresentação do Coral da Igreja Presbiteriana de Caruaru e a distribuição de mensagens natalinas nas enfermarias das alas adultas.

Para o Diretor Geral do HMV, Marcelo Cavalcanti, a humanização é o foco principal dessas ações. “Nós devemos, a cada dia, humanizar ainda mais os serviços de saúde do nosso Estado. Esta é a missão da Organização Social Tricentenário. Semana passada também fizemos uma confraternização com os nossos colaboradores que são de fundamental importância para o bom funcionamento deste hospital”, destacou.

 

O Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, através da Secretaria de Saúde do Estado e da Central de Transplantes de Pernambuco, vem capacitando sua equipe para que seja implantada na unidade uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT). Essa comissão é responsável por identificar e captar potenciais doadores, além de explicar aos familiares o que é a morte encefálica, e sensibiliza-lo para doação “Nosso objetivo é desenvolver um olhar diferenciado e reconhecer um possível doador. Com a chegada da CIHDOTT reforçaremos a conscientização, não apenas para a família, mas também para toda equipe. É preciso entender que não estamos apenas lidando com a morte, mas com a chance de salvar vidas”, explica Mayara, Enfermeira do HMV, que fará parte da comissão ao lado de mais uma enfermeira e um médico.


Após a total implantação da comissão, as captações poderão ocorrer no próprio Hospital, que, então, passará a ser referência de captação de órgãos da região. As CIHDOTT são classificada em três níveis e, por se tratar de um hospital de alta complexidade, o Mestre Vitalino vai contar com a CIHDOTT tipo III.


HMV reconhece primeiro caso de possível doador de múltiplos órgãos – Após ser diagnosticada a morte encefálica de uma paciente que se encontrava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru, integrantes da CIHDOTT da unidade entraram em contato com os familiares para explicar a importância da doação de órgãos após o diagnóstico. Com o cuidado de mostrar que não se tratava apenas de uma morte, mas da chance de oferecer uma vida nova a outras pessoas, a Comissão agiu para tentar realizar a primeira captação, após uma semana do treinamento junto a SES e à Central de Transplantes. “Infelizmente a cultura de algumas pessoas causam um bloqueio de conhecimento quanto à importância da doação. O papel da nossa equipe será justamente trabalhar com essas famílias e ajuda-las a entender a importância do processo”, conclui Mayara.

Localização

© 2017-2020 Hospital Mestre Vitalino. Todos os direitos reservados