Cada setor tem horários e quantitativo específico de visitas

 

Ao longo dos últimos meses, de forma gradativa, o Hospital Mestre Vitalino (HMV) foi retomando as visitas aos pacientes internos. Atualmente todos os setores da unidade já estão com visitação liberada, e recentemente foi realizada a ampliação de horários e quantitativos de visitas em alguns setores. Desta forma, os familiares podem ficar mais próximos do paciente e obter presencialmente as informações sobre o estado de saúde, como era realizando antes da pandemia da Covid-19.

 

Confira abaixo os horários de visita e orientações para cada setor:

 

CLÍNICAS

 

CLÍNICA CARDIOLÓGICA 1

10h às 10h30 | 19h30 às 20h

CLÍNICA CARDIOLÓGICA 2

10h às 10h30 | 19h30 às 20h

CLÍNICA NEUROLÓGICA

11h às 11h30 | 19h30 às 20h

CLÍNICA MÉDICA

11h às 11h30 | 20h às 20h30

CLÍNICA PEDIÁTRICA

12h às 12h30 | 20h às 20h30

CLÍNICA CIRÚRGICA 1

12h às 12h30 | 20h às 20h30

CLÍNICA CIRÚRGICA 2

12h às 12h30 | 20h às 20h30

 

As visitas para as clínicas duram 30 minutos, podendo dividir o tempo para dois visitantes.

Obrigatório o uso de máscara cobrindo o nariz e a boca.

 

 

EMERGÊNCIA

 

SALA VERMELHA

10h às 10h20 | 16h às 16h20

OBSERVAÇÃO CARDIOLÓGICA 1

10h30 às 10h40 | 19h30 às 19h40

OBSERVAÇÃO CARDIOLÓGICA 2

10h30 às 10h40 | 19h30 às 19h40

OBSERVAÇÃO NEUROLÓGICA

10h50 às 11h | 20h30 às 20h40

OBSERVAÇÃO MÉDICA 1

10h50 às 11h | 20h30 às 20h40

OBSERVAÇÃO MÉDICA 2

11h10 às 11h20 | 20h50 às 21h

OBSERVAÇÃO CIRÚRGICA

11h30 às 11h40 | 20h50 às 21h

 

As visitas para a sala vermelha duram 20 minutos, sendo um visitante por paciente.

As visitas para os setores de observação duram 10 minutos, sendo um visitante por paciente.

Obrigatório o uso de máscara cobrindo o nariz e a boca.

 

 

UTI’s

 

UTI 1

20h30 às 21h |

UTI 2

15h às 15h30 | 20h30 às 21h

UTI 3

14h30 às 15h | 21h às 21h30

UTI 4

16h30 às 17h | 21h às 21h30

UTI CORONÁRIA

16h às 16h30 | 20h30 às 21h

UTI PEDIÁTRICA

15h às 15h30 | 20h30 às 21h

 

As visitas para as UTI’s duram 30 minutos, podendo dividir o tempo para dois visitantes.

Obrigatório o uso de máscara cobrindo o nariz e a boca.

A programação conta com atividades ao longo de todo o mês

 

Em 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu o dia 17 de setembro como o Dia Mundial da Segurança do Paciente. Neste ano, as ações terão como tema “O engajamento dos pacientes para à segurança do paciente”, e o slogan “Amplifique a voz dos pacientes!”, e foram iniciadas na quarta (06), com momento educativo realizado dentro da unidade com a equipe multiprofissional. Essa ação será realizada de forma contínua até o dia 15 de setembro.

No dia 18, haverá uma palestra, às 14h, no auditório do HMV, com o tema “Engajamento dos pacientes e familiares na segurança do paciente”, com a enfermeira Milca Silícia. Já de 19 a 29 de setembro, será a vez de realizar a ação educativa com pacientes e acompanhantes, por meio da equipe multidisciplinar. Segundo a OMS, as evidências demonstram que quando os pacientes são considerados parceiros em seus cuidados, ganhos significativos são obtidos em segurança, satisfação e resultados de saúde.

A OMS enumera ainda uma série de objetivos do Dia Mundial da Segurança do Paciente 2023, alguns deles: conscientizar sobre a necessidade do envolvimento ativo dos pacientes, familiares e cuidadores em todos os ambientes e níveis de cuidado em saúde para melhorar a segurança do paciente; articular profissionais de saúde, organizações de pacientes, gestores de saúde, provedores de serviços de saúde e outras partes interessadas visando somar esforços para envolver pacientes e familiares nas políticas e nas práticas de segurança do paciente.

 

No Agreste de Pernambuco, o Hospital Mestre Vitalino e o Hospital Regional do Agreste são referências na captação de órgãos

 

Estamos no início do Setembro Verde, mês da conscientização e incentivo sobre a doação de órgãos, e este é um assunto que ainda é um tabu na sociedade. Recentemente, o apresentador Faustão foi incluído na lista de espera do Sistema Único de Saúde (SUS) e realizou a cirurgia de transplante de coração no último dia (27). O caso gerou muitas dúvidas, questionamentos e inquietações sobre o processo de doação de órgãos. O Brasil é o 2º maior transplantador do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, e é referência por garantir os procedimentos de forma integral e gratuita pelo SUS. 

Em Caruaru, o Hospital Mestre Vitalino (HMV) e o Hospital Regional do Agreste (HRA) atuam na captação por meio das Organizações da Procura de Órgãos (OPO). De janeiro até agora foram realizadas três doações de fígado no HMV e 3 no HRA; uma de rins no HMV e 3 no HRA; 25 de córneas em cada unidade; e 3 de coração no HRA. Esses números impactam diretamente na diminuição da lista de espera e na qualidade de vida do paciente que recebem novos órgãos. 

No Dia das Mães deste ano, Rafael Gomes, de 17 anos, estava sentindo dor nas amígdalas, que foi se agravando com fadiga, bolhas na região da língua e dificuldade para respirar. Quando foi socorrido para o Hospital Regional do Agreste veio o diagnóstico: doença renal crônica. Há cinco meses o jovem realiza sessões de hemodiálise e agora está se preparando para ser inserido na lista de transplantes. “Quando eu soube, eu nem consegui pensar direito no que estava acontecendo, mas ao mesmo tempo me senti grato porque de acordo com os médicos, se eu tivesse demorado mais uma hora para procurar ajuda médica, eu poderia não ter sobrevivido. Agora estou muito esperançoso pelo transplante que tem uma previsão para acontecer até dezembro”.

“A doação de órgãos é um ato que pode salvar vidas, mas ainda é um tabu para muitas famílias que não compreendem como a doação é realizada. Por isso, institui-se a campanha Setembro Verde como forma de conscientizar a sociedade sobre a importância de doar órgãos e tecidos. Nossa intenção é aumentar a captação de órgãos em nossa região e conseguir diminuir a fila de espera por um transplante. Doar órgãos significa a vida para uma pessoa que está esperando um órgão”, explicou Janine Duarte, enfermeira coordenadora da OPO.

Durante a pandemia da Covid-19, em 2020 e 2021, enquanto alguns países paralisaram totalmente os programas de transplantes, o Brasil manteve cerca de 60% dos procedimentos. Para que a doação de órgãos possa ser efetivada é necessária a autorização da família do paciente. Mesmo com a ampliação da discussão sobre o tema, o assunto ainda é polêmico e de difícil entendimento para muitas pessoas, o que resulta em um alto índice de recusa familiar. Além da desinformação e das notificas falsas que permeiam a temática.

Atualmente para ser um doador de órgãos basta que cada pessoa comunique a família este desejo, além de conversar sobre o tema em seu meio social. Essa conduta possibilita que em um momento tão delicado, como é o da morte de um ente querido, a família possa seguir com o processo de doação. É importante destacar que há dois tipos de doador: o primeiro é o doador vivo. Pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. O doador vivo pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes, só serão doadores com autorização judicial. 

O segundo tipo é o doador falecido. São pacientes com diagnóstico de morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado, e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes.

Para celebrar esse mês, as Organizações da Procura de Órgãos em parceria com a Unidade de Hemodiálise do HMV montaram uma programação com ações que visam educar e conscientizar o público para a temática. Durante todo o mês serão realizadas dinâmicas sobre mitos e verdades do processo de doação de órgãos e tecidos com os profissionais de saúde dos serviços de abrangência.

No dia 19, às 10h, haverá uma palestra sobre comunicação de notícias difíceis, no auditório do Hospital Regional do Agreste; já no dia 21, às 14h, a palestra trará a temática: “Processo de doação de órgãos e tecidos”, no auditório do Hospital da Unimed; no dia 26, às 14h, a palestra sobre comunicação de notícias difíceis acontecerá no auditório do Hospital Mestre Vitalino; no dia 27, às 14h, palestra sobre ventilação protetora no potencial doador, também no auditório da unidade.

No dia 27, Dia Nacional da Doação de Órgãos, a partir das 8h da manhã, haverá uma ação de orientação e sensibilização da população de Caruaru na Via Parque. Nos dias 28 e 29, os pacientes da Unidade de Hemodiálise do HMV participarão de uma roda de conversa sobre o processo de doação de órgãos e tecidos, finalizando o ciclo de ações da programação.

Palestra, rodas de conversa e apresentações culturais serão realizadas ao longo do mês

 

Em alusão ao Setembro Amarelo, mês de conscientização e prevenção do suicídio, o Hospital Mestre Vitalino (HMV) elaborou uma série de ações voltadas para colaboradores, pacientes e acompanhantes. As ações tiveram início na terça (05), às 09h, com uma roda de conversa para os pacientes e acompanhantes da unidade de hemodiálise, essa ação se repetiu também na quarta (06). Nesta sexta (08), haverá uma palestra que trará a temática “Prevenção do suicídio: o escutar como caminho”, às 14h, no auditório do HMV.

Nos dias 12 e 13, a partir das 09h, na unidade de hemodiálise será realizada a apresentação do grupo “Sanfona para Elas”, da Secretaria da Mulher de Caruaru. A programação não para por aí. Nos dias 13 e 14 haverá uma exibição de filmes temáticos com distribuição de pipoca, também na unidade de hemodiálise, das 08h às 11h. A programação é uma parceria entre o setor de Ensino e Pesquisa (NEP), e as equipes de psicologia, nutrição e a Unidade de Hemodiálise.

Gestores do Hemope Caruaru se reuniram na última semana com equipe do HMV

 

Com perfil de alta complexidade, o Hospital Mestre Vitalino (HMV) solicita com frequência hemocomponentes ao Hemope. Desta forma, toda a equipe multidisciplinar da unidade promove de forma contínua a campanha interna de incentivo à doação de sangue. Na última semana, os gestores do Hemope estiveram no HMV para reforçar a parceria com o Hospital e conversar sobre a situação atual de baixo estoque.

“As equipes do HMV orientam os familiares e acompanhantes dos pacientes de todos os setores, com foco ampliado aos pacientes dos setores da cardiologia, a irem doar sangue e encaminhar outras pessoas para a doação. Este trabalho é diário e visa favorecer o estoque do hemocentro. Devemos sempre lembrar que sangue não se vende, precisamos contar com o apoio de cada pessoa na ampliação dos números de doação para que possamos ajudar a salvar vidas”, reforça Kássia Santos, coordenadora do Serviço Social do HMV.

Para a doação é necessário ter entre 16 e 69 anos, pesar mais de 50kg e possuir boas condições de saúde. Além disso, é preciso apresentar documento oficial com foto e menores de 18 anos só podem doar com consentimento formal dos responsáveis. É necessário estar descansado (ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas) e estar alimentado (evitar alimentação gordurosa nas 4 horas que antecedem a doação).

“Essa parceria é de fundamental importância para nossa assistência. A reposição desses componentes através da doação é o que possibilita a manutenção do estoque que temos na Agência Transfusional à disposição do paciente”, destaca Rachel di Paola, biomédica coordenadora da agência transfusional do HMV. O HEMOPE Caruaru funciona de segunda a sexta-feira das 7h30 às 12h e das 13h30 às 17h.

Localização

© 2017-2024 Hospital Mestre Vitalino. Todos os direitos reservados